domingo, 25 de janeiro de 2015

Foxcatcher (2014) O título mais adequado para o filme seria: "A Mãe de Du Pont"!

O filme conta a história do ex-campeão mundial e campeão olímpico de luta greco-romana em 1984, Mark Schultz.

Sem ter sido indicado ao Oscar como Melhor Filme, Foxcatcher: uma história que mudou o mundo tem cinco indicações: Melhor Diretor para Bennett Miller, Melhor Ator para Steve CarellMelhor Ator Coadjuvante para Mark Ruffalo,  Melhor Roteiro Original, Maquiagem e Cabelo.

Pelo Twitter, no primeiro dia de 2015, o ex-campeão Mark Schultz criticou o filme e, num ataque de fúria, chegou a dizer que odiava o diretor Bennett Miller. Mais tarde apagou os twitters e se retratou pelos momentos de fúria nas redes sociais.

O filme retrata a trágica história de Mark e seu irmão David Schultz, ambos atletas olímpicos de luta greco-romana, e a raiva de Mark se concentra no modo como o diretor Bennett Miller configurou a aproximação entre Mark e o magnata americano John du Pont, interpretado com perfeição por Steve Carell.

É que, história real, Du pont, uma personalidade adoecida, em 1996 matou David Schultz, o irmão de Mark, após ter mandado buscar Mark para treinar em sua fazenda (Foxcatcher) e o contaminado com sua personalidade doentia, propiciando-lhe o vício em cocaína e a decadência como atleta, até atrair David e sua família também para a fazenda, contratado para treinar o time Foxcatcher.

A fúria de Mark em relação ao filme talvez se deva ao fato da clara insinuação de que, a simbiótica amizade que nasceu entre o magnata e o lutador, tenha incluído um relacionamento sexual. "O filme não mostra direito nenhuma de minhas vitórias. Só focaliza minhas derrotas", afirmou Mark Schultz. "Deixar o cinema com a sensação de que houve uma relação sexual entre eu e Du Pont é uma mentira ofensiva e doentia. Eu disse a Bennett Miller para cortar aquela cena e ele disse que ela existia para dar ao público a sensação de que du Pont invadia minha privacidade."

O ex-atleta lança neste ano o livro "Foxcatcher: The True Story of My Brother's Murder, John du Pont's Madness and the Quest for Olympic Gold", no qual promove revelar a história real que chocou o esporte americano nos anos 1990.
Channing Tatum interpreta Mark Schultz, e David Schultz (que também era campeão olímpico) é interpretado por Mark Ruffalo, que está impecável no papel e concorre ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante em 2015.
O grande mérito do filme é a carga dramática que Bennett Miller, vencedor do prêmio de melhor diretor no Festival de Cannes, conseguiu passar através do trio de atores Channing Tatum, Mark Ruffalo e Steve Carell
Foxcatcher é um filme dotado de uma carga dramática essencialmente masculina. As mulheres do filme são vistas raras vezes, uma delas é a esposa de David, que está ali como cenário, só pra nos mostrar que David era casado. A outra é a mãe de Dupont.
O título mais adequado para o filme seria: "A Mãe de Du Pont"!
Vanessa Redgrave interpreta Jean du Pont, a mãe do magnata perturbado e esquizofrênico e aparece pouquíssimas vezes em cena, mas sua presença é tão fundamental na compreensão dos elementos que contribuíram para o desfecho trágico dessa história real, que é impossível não percebê-la como a verdadeira protagonista do filme.
Jean criava cavalos de raça e a gente tem notícia no filme de que na infância de John ela pagara o filho do motorista para ser amigo de seu filho John.
Foi o que ele fez, mais tarde, ao mandar trazer Mark Schultz para a fazenda. 
A mãe de John vai se impregnando por todos os atos que se descortinam durante o filme, mesmo após a notícia de sua morte, quando o primeiro ato do filho é libertar todos os cavalos e lhes afugentar da fazenda.
Bennett Miller não nos entrega prontos seus personagens; temos que decifrá-los. E não é tarefa fácil.
A grande beleza e riqueza do filme está nisso. Na forma como Bennett Miller conseguiu extrair de uma história policial americana, os elementos subjetivos que saltam dela, transformando-a em uma obra de profundidade a respeito da alma humana. Bennett se recusou a ficar no lugar comum, aprisionado aos fatos da história, como quase sempre acontece em um filme biográfico, e se atreveu a ir além.
Foxcatcher é uma obra densa que retrata personagens masculinos de forma dramaticamente influenciada pelo feminino, ultrapassando os limites do facilmente capturável.
E. Max Frye e Dan Futterman ("Capote") assinam o roteiro, que bem merece a indicação que teve ao Oscar.
Confira o trailler:




Postar um comentário